Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Da formação e desenvolvimento do Homem, a crise da virilidade de nossos tempos e outros assuntos

Da formação e desenvolvimento do Homem, a crise da virilidade de nossos tempos e outros assuntos. Por: Vinicius Martinez
Introdução.

Se podemos dizer que há um período na História Humana onde o Homem deixou de entender a si mesmo, esse período é o nosso. Vivemos num mundo desenvolvido tecnologicamente, mas precariamente os homens que participam desses tempos, não acompanharam o avanço das técnicas que por eles mesmos foram desenvolvidas.

É fato que vivemos numa sociedade apóstata que abandonou a Verdade e que se rendeu ao Liberalismo em todos os seus aspectos, o que por sua vez deu forças ao modernismo na religiosidade, assim como pavimentou a civilização ocidental para experimentar as tenebrosas revoluções sangrentas do século XX.

Por sua vez, nessa breve introdução, cito que o triunfo da tão má compreendida ideologia feminista, que embora muitos falem dela, não sabem que a mesma não é só uma simples demência do que chamamos de "Mundo Moderno".

Parafraseando a afirmação do Dou…

O Papa Pio XII e os bombardeios de Roma durante a Segunda Guerra Mundial e outros assuntos

O Papa Pio XII e os bombardeios de Roma durante a Segunda Guerra Mundial e outros assuntos.

Por: Vinicius Martinez
 
Esses bombardeios aconteceram em 1943 e 1944 com o advento da dominação dos aliados na Sicília. Alguns desonestos históricos falam que Hitler mandou bombardear Roma no período em que o Papa Pio XII governava, no entanto, essa afirmação é equivocada. 

Pois esquecem de mencionar que os primeiros a bombardearem Roma foram os aliados, partindo primeiramente dos britânicos e depois os estadunidenses. Dos seis bombardeios principais, quatro foram dos aliados e dois foram do eixo –, sendo os bombardeios do eixo utilizados como medidas contra os aliados e não tendo a Santa Sé como alvo, ademais, os aviadores da Luftwaffe receberam ordens de evitarem bombardear Roma.

Ademais. – O Duce Italiano, a saber, Benito Mussolini e o Führer, a saber, Adolf Hitler sequer ousaram subjugar a Santa Sé, ainda que em 1937 o Papa Pio XI tivesse condenado os erros promovidos pelo Nazismo na encíclica: "Mit Brennender Sorge". O problema do Hitler era contra os judeus e eslavos, ele tinha até certo respeito pela Igreja Católica pelo fato de sua mãe ter sido uma.

Ademais. – O Duce italiano tinha ainda mais respeito pela Santa Igreja, uma vez que ela representava o que ele pregava na política, a saber, a hierarquia e a ordem, coisas que Mussolini e Hitler admiravam, a relação entre Mussolini e a Santa Sé foram estratégicas, uma vez que o Duce Italiano necessitava da harmonia com o povo italiano que era em sua maioria, católicos e a Igreja precisava de um “mal menor” que evitasse o caos social. 

Por fim, o Doutor Consistente, a saber, Papa Pio XII heroicamente salvou a vida de milhares de judeus, todavia, ele o fez por ser um Homem de Deus, segundo para manifestar o amor de Deus para os que assassinaram o Senhor, terceiro para que tivessem chances de ver a bondade da verdadeira religião por eles, para mover a Inteligência à conversão, não foi porque Pio XII aprovasse a ímpia doutrina judaica, como alguns puxa-sacos de Israel fazem. 

Com efeito, ainda que o Führer alemão respeitasse de alguma maneira a Igreja – por ter sido criado por uma católica devota, ele tinha total nojo e ódio aos judeus, portanto, entraria em conflito com a Igreja por estarem a defender o que ele condenava, a saber, a vida dos judeus. De fato, o Terceiro Reich foi moldado a criar uma religião gnóstica e nacional, substituindo o catolicismo pelo culto ao Homem. 

No entanto, o fato é que se o Führer tivesse o ódio pela Igreja como dizem, ele facilmente teria dizimado a Santa Sé, sequestrado o Papa com facilidade, uma vez que a Europa Central estava em suas mãos. Não quero aqui negar as intenções ímpias de Hitler, mas apenas comentando o fato do que sucedeu em seu tempo como líder supremo da Alemanha, e como vemos, não era sua prioridade a destruição imediata da Igreja. 

Ademais. – Acaso os reis medievais da França tiveram escrúpulos em sequestrarem o Papa de Roma, trancando-o em Avinhão? Felipe, o Belo teve escrúpulos em dizimar a Ordem dos Templários? Será que o Führer que conquistou a França em um mês e meio, que tinha um poder ainda maior que qualquer rei medieval e uma força armada poderosa, teria medo de entrar em Roma e sequestrar o Papa e seus cardeais? Não fez porque não desejava, seu problema era com os judeus, comunistas e com os eslavos em primeira instância. 

É factual que a propaganda realizada contra o Papa Pio XII ter sido um “Papa de Hitler” é uma farsa histórica, uma vez que já foi comprovado que ele salvou milhares de judeus e seu silêncio foi prudencial para tal ato, no entanto, é igualmente injusto dizer que Hitler tinha um plano para explodir Roma e sequestrar o Papa. 

Além do mais, lembremo-nos que a Alemanha Nazista e a Itália Fascista ajudaram Portugal e a Espanha a terem por décadas, um governo que era autoritário, todavia, na medida do possível – católicos, sob a liderança de Antônio Salazar e Francisco Franco – que mantiveram um governo católico –, até que o Papa Paulo VI e a Santa Sé já dominada pelo modernismo do Concílio Vaticano II, começou a pressionar os governos a se secularizarem e como bons católicos que eram, acabaram por seguir as recomendações do Papa. 

Com efeito, ainda que o apoio de Hitler e Mussolini tenha sido de certa forma, uma medida utilitarista, uma vez que poderiam se exercitar para a Segunda Guerra Mundial, testando suas unidades e tecnologias – na Guerra Civil Espanhola, também mostra por parte do eixo, a tolerância com países que eram submissos a Santa Sé e até contrários aos dogmas nazistas. 

Por fim, saibamos que a postura forte de Churchill era também uma maneira de ele representar o que a Maçonaria almejava, a saber, dizimar o Nazismo, uma vez que a ímpia doutrina de Hitler, se comprometeu a combater a maçonaria que dominava boa parte dos países ocidentais, e a maçonaria atuava na Grã-Bretanha, França e URSS, sendo, Roosevelt, Churchill, Truman e Stalin, todos maçons.

A Segunda Guerra Mundial só tomou as proporções que teve, muito em decorrência da insistência de Churchill em combater Hitler, uma vez que o grande inimigo da Alemanha Nazista era a União Soviética, pois julgavam os eslavos como povos inferiores e uma nação governada por bolcheviques judeus, em diversas ocasiões. 

A Alemanha Nazista, ou seja, Hitler e seu alto comando político demonstrou medidas diplomáticas para evitar a guerra no ocidente, todavia, a França e a Inglaterra insistiram, pois era desejo da maçonaria, que a guerra acontecesse, uma vez que ainda que Hitler quisesse atacar apenas a URSS, ele estaria atacando também a maçonaria. 

Sucede que a história não é tão simples como dizem, na Segunda Guerra Mundial, tanto os aliados como o eixo cometeram crimes terríveis e nunca vistos antes na História, se há um herói nessa história toda, com certeza foi o Papa Pio XII.

Glória a Deus! Ave Maria Santíssima! Salve Roma Eterna!

Comentários

Postagens mais visitadas