Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Da formação e desenvolvimento do Homem, a crise da virilidade de nossos tempos e outros assuntos

Da formação e desenvolvimento do Homem, a crise da virilidade de nossos tempos e outros assuntos. Por: Vinicius Martinez
Introdução.

Se podemos dizer que há um período na História Humana onde o Homem deixou de entender a si mesmo, esse período é o nosso. Vivemos num mundo desenvolvido tecnologicamente, mas precariamente os homens que participam desses tempos, não acompanharam o avanço das técnicas que por eles mesmos foram desenvolvidas.

É fato que vivemos numa sociedade apóstata que abandonou a Verdade e que se rendeu ao Liberalismo em todos os seus aspectos, o que por sua vez deu forças ao modernismo na religiosidade, assim como pavimentou a civilização ocidental para experimentar as tenebrosas revoluções sangrentas do século XX.

Por sua vez, nessa breve introdução, cito que o triunfo da tão má compreendida ideologia feminista, que embora muitos falem dela, não sabem que a mesma não é só uma simples demência do que chamamos de "Mundo Moderno".

Parafraseando a afirmação do Dou…

Sobre o Amor e outros assuntos

Sobre o Amor e outros assuntos.

Por: Vinicius Martinez
 Ao meu amor Helena Martinelli.

Do Amor viemos e para o Amor devemos retornar. Há uma grande diferença entre o homem que ama e o homem que está apaixonado: o primeiro trabalha para que a pessoa que ele ama alcance a Felicidade em Deus e a alegria na Boa Vida, o segundo age para si mesmo utilizando da pessoa que ele gosta para saciar seus afetos — e para alimentar sua falsa concepção de que a Felicidade será alcançada com o preenchimento de sua carência afetiva. O Amor é eterno, a Paixão é temporária.

O Amor é um ato racional, por isso só é possível entre os seres dotados de inteligência, é uma escolha que foi tomada por uma pessoa que já foi apaixonada um dia, porque todo amor começa primeiramente pelas paixões nobres que passam pela Vontade e que são ordenadas e aderidas na Inteligência.

Mas são muitos que não querem sair da paixão porque não estão dispostos a amarem verdadeiramente, porque amar também significa sacrifício, — e aqueles que são apaixonados desejam apenas desfrutar das alegrias, mas não estão dispostos a pagarem o preço do amor que por vezes também significa sofrer pelo outro, é por isso que é mais confortável romantizar tudo e criar uma grande fantasia para não ferir-se.

Quando amamos uma pessoa significa que ocorreu uma adesão intelectual à pessoa amada e quando isso ocorre, o amor permanece perpetuamente e não há absolutamente nada capaz de destruí-lo. É impossível deixar de amar alguém que amamos verdadeiramente, assim como é impossível de remover a marca que recebemos de Deus ao sermos batizados.

O apaixonado não entende o motivo de ele "gostar" da outra pessoa, não compreende porque há um impulso tão forte pela pessoa, a paixão na maioria das vezes é uma forma de gostar do outro de maneira erótica, ou seja, ter desejo afetivo-sexual ou também uma espécie de dependência meramente afetiva excluindo a parte sexual. A paixão é como se fosse uma grande explosão que jorra fogo para todas as direções e sendo uma explosão, torna-se perigosa, ademais, sendo fogo, pode queimar, além disso, sendo assim — torna-se passageira.

Já aquele que ama compreende o motivo de seu amor pela a outra pessoa, — embora ela por vezes não consiga explicar com clareza total do porquê desse amor, mas é capaz de demonstrar racionalmente a razão de seu amor pela outra e sempre demonstrar de forma digna pelos gestos e atitudes o motivo de seu amar.

A paixão é um ato irracional, muitas vezes quando se estende por demasia, torna-se algo egoísta que surge mediante a muitas variáveis, — seja pela realidade psíquica e/ou fisiológica do ser humano. Todavia, o amor é um ato racional que se dá no Intelecto que recebe os dados primeiramente pelos sentidos, com efeito, com os dados reunidos, a inteligência forma juízos — e então surge a escolha que por sua vez também é movida por certas paixões auxiliares, pois também é necessário que haja paixões para que possam mover o amante ao amado, ora, toda paixão é passageira, mas todo amor é permanente. Além disso, as paixões em si não são más, mas podem se tornar dependendo do objeto a qual se dirigem.

Ademais. — É por isso que quem ama conhece, ora, não se ama o que não conhece, para amar a Deus é necessário primeiramente conhecê-lo — e ao conhecer a Deus, o amamos porque vemos nele a suprema realeza, a suprema dignidade que o torna digno de todo nosso amor, porque ele é a causa de nosso ser e existência, é por isso que primeiramente amamos a Deus.

Ademais. — Ora, porque amamos os nossos pais? Primeiro, porque eles nos deram a vida, segundo que em retribuição ao primeiro o amamos e em terceiro porque são criaturas feitas na imagem e semelhança de Deus. Ora, porque o Marido ama a Esposa? Primeiro, porque ela ama a Deus sobre todas as coisas, segundo porque ela o ama, terceiro porque ela é a eleita por Deus para que auxilie ele na caminhada para os céus, etc, etc.

Com efeito, analogamente acontece com os seres humanos, eles amam o outro verdadeiramente apenas se conhecem profundamente um ao outro e quanto mais se conhece, mais o amor tende a aumentar, porque quanto mais conhecemos as perfeições divinas, mais amamos a Deus —, o mesmo em relação ao outro, quanto mais sabemos de suas qualidades e defeitos, mais podemos amar, ademais, quanto maior as adversidades, — mais o amor é provado.

Ora, se Deus que é o Amor, ama as criaturas que são falhas e miseráveis infinitamente, porque acaso nós criaturas miseráveis e falhas não podemos amar outras criaturas falhas e miseráveis? Com efeito, torna-se meritório o amor que se dirige àquele que não é perfeito, todavia, o amor tem por objeto a Deus e para alcançar a Deus é necessária a perfeição, logo, o amante deseja que sua amada se torne perfeita para ser digna de Deus, aquele que ama deseja a eternidade do outro.

Ademais. — Conhecendo a Deus, podemos compreender que o Nosso Bom Deus nos fez na sua imagem e semelhança, ora, sendo imagem e semelhança de Deus, todos nós devemos nos amar, com efeito, é por isso que o Senhor diz: "Ame a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a ti mesmo". Todavia, há gradações e tipos de amor.

Com efeito, há pessoas que escolheram amar de forma a ter uma família, ou seja, por via do matrimônio, exercitando um vínculo supremo de amor que é expresso pelo Matrimônio e outras que amam os demais como amigos e outras que amam os demais apenas pelo fato de terem sido criadas por Deus. Ademais, há aqueles que amam tanto a Deus que abandonam tudo, focando o amor que podem dar, apenas a Deus mesmo.

Ademais. — O amor sendo algo racional e a inteligência é quem deve mover todos os atos do Homem mediante também a Graça, sucede que os atos, ou seja, as atitudes são mais importantes que as palavras, ora, é mais fácil dizer: "amo-te mulher" ou realmente amar na prática com gestos e atitudes? Por isso que mais uma vez o romantismo torna-se tosco, porque coloca mais ênfase nas palavras do que nos gestos, todavia, até mesmo nos gestos o romantismo erra ao torná-los irracionais e egoístas, tendo em vista a satisfação apenas do amado.

Ademais. — Se devemos amar a Deus sobre todas as coisas e amar o próximo como a si mesmo, significa que amamos as coisas criadas pelo reflexo da bondade de Deus nas coisas por ele feitas, com efeito, se odiamos o próximo ou algo criado por Deus, significa que indiretamente ou diretamente odiamos o Senhor. É também por isso que o Senhor nos revela que: "Aquele que diz que me ama, mas odeia o irmão é um mentiroso". Do mesmo modo que todo gnóstico odeia a Deus por dizer que a parte material de sua criação é má, ademais, os panteístas também igualmente o odeiam por amar apenas a matéria em detrimento do que é espiritual.

Além disso, também aqueles que amam mais as criaturas e as coisas criadas do que Deus, não amam de forma perfeita, mas possuem um amor deveras imperfeito, porque todo amor se dá primeiramente em Deus que é fonte de todo amor, fora de Deus não existe verdadeiro amor, ora, se o amor parte e se direciona para algo que não seja Deus primeiramente é vazio e passageiro, em outras palavras, é uma afeição, uma paixão meramente humana e não uma propriedade transcendental que nos é transmitida por Deus que nos possibilita a amar.

Além disso, é por isso que a maioria dos relacionamentos são fracassados, pois os casais entram pelas paixões que são passageiras e nas mínimas adversidades com o outro, sentem repulsa por não terem a paixão alimentada como desejariam, todavia, os casais que se amam, firmam-se em algo transcendental, que é permanente, cuja fonte é o próprio Amor que chamamos Deus. Com efeito, somente é verdadeiro e bela a relação onde o homem e a mulher amam a Deus sobre todas as coisas, porque amando a Deus, certamente amarás a ti de forma perfeita a tal ponto de fazer de tudo para que tu te tornes perfeito e digno das Promessas de Cristo, por isso, nada de romantismo fajuto, o dia dos namorados que também serve aos casados deve ser primeiramente uma recordação do Amor Primário que é Deus que permitiu que nós sejamos capazes de amar e com essa belíssima graça obtida, temos a pessoa que escolhemos amar ao nosso lado e consequentemente podemos dar Glória ao Amor.

Ademais. — Dizia o Mestre Angélico: "Nenhum homem possui verdadeiramente a alegria a menos que ele viva apaixonado. [...] O amor é o desejo de eternidade do ser amado. [...] O amor é a alegria pelo bem; o bem é único fundamento do amor. Amar significa querer fazer o bem para alguém".

Ademais. — Dizia o Doutor da Graça, a saber, Santo Agostinho: "Só se ama verdadeiramente o próximo quando se ama a Deus no próximo, seja porque Deus vive nele, seja para que Deus viva nele. Isto é amor. Amar por outro motivo não é amor".

Ademais. — Dizia o Doutor da Graça: "Necessitamos um do outro, para sermos nós mesmos".

Ademais. — Dizia a Doutora do Amor, a saber, Santa Teresinha: "Amar é tudo dar e dar-se a si mesmo".

Ademais. — Dizia a Doutora do Conselho, a saber, Santa Catarina de Sena: "Por amor Deus os criou, sem amor não podeis viver [...] O amor por Deus e pelo próximo são uma só coisa".

Ademais. — Dizia o Doutor Místico, a saber, São João da Cruz: "Amar não cansa e nem se cansa".

Ademais. — Dizia o Filósofo, a saber, Aristóteles: "O amor é o sentimento dos seres imperfeitos, posto que a função do amor é levar o ser humano à perfeição".

Ademais. — Dizia o Educador, a saber, Platão: "Só pelo amor o homem se realiza plenamente. [...] Quem ama extremamente, deixa de viver em si e vive no que ama".

Ademais. — Dizia o Dramaturgo, saber, William Shakespeare: "O amor só é amor, se não se dobra a obstáculos e não se curva às vicissitudes, é uma marca eterna que sofre tempestades sem nunca se abalar".

Ademais. — Dizia Victor Hugo: "Amar é saborear nos braços de um ente querido a porção de céu que Deus depôs na carne".

Por fim: As 22 verdades sobre o amor:

1. Deus é o Amor.
2. Todo Amor vem de Deus.
3. O Amor é sempre uma escolha.
4. O Amor é Sacrifício.
5. O Amor exige verdade sempre.
6. O Amor é uma efetivação que deve ser construída.
7. O Amor não morre.
8. O Amor deve ser alimentado.
9. O Amor deve ser demonstrado mais pelas ações que pelas palavras.
10. Amar alguém é desejar que esse alguém vá para os Céus.
11. Amar nunca cansa.
12. Amar significa dar-se a si mesmo em vista do Sumo Bem do amado.
13. Aqueles que amam uma pessoa, sempre amarão aquela pessoa.
14. A distância não impede que um Amor seja construído.
15. As paixões nobres são a entrada para a efetivação de um Amor.
16. Ele se dá na Vontade, mas é aderido pela Inteligência.
17. É uma Adesão entre a pessoa que ama e a pessoa que é amada.
18. Aquele que ama sempre é aberto e sincero ao amado, dizendo tudo o que pensa e deseja, incluindo falar sobre suas fraquezas.
19. Nós conhecemos as pessoas verdadeiramente pelas coisas que elas amam.
20. Aquele que ama sempre fala sobre o Santo Matrimônio e sobre construir uma vida juntos.
21. Aquele que ama quer ser sempre o seu melhor amigo: seja na amizade pura e simples ou na amizade numa relação entre marido e mulher.
22. Aquele que ama está disposto a fazer de tudo para provar seu amor pelo amado.

Finalizo, dizendo que se se há uma forma "empírica" e aqui utilizo apenas de forma pedagógica, pois a "existência de Deus" não pode ser comprovada, mas demonstrada racionalmente, pois Deus não existe, Deus é! Todavia a afirmativa de que ele é, trata-se de uma árdua demonstração metafísica e teológica, ademais, afirmar literalmente que Deus existe, é dizer que ele foi em algum momento criado na existência, ora, se ele foi criado, significa então que há um outro criador que o antecedeu, todavia isso não pode proceder ao infinito, Deus é eterno e imutável, nunca foi criado, o Divino Pai gerou o Divino Filho que por sua vez gerou o Divino Espírito Santo desde a Eternidade.

Ora, somente um Deus que é comunhão é capaz de amar, um Deus que fosse sozinho não teria em seu ser a característica própria do amar que é sempre participativo de uma comunhão, todavia conforme nos foi revelado, Deus é Uno e Trino, uma só substância divina que possui três pessoas distintas participando dela, é por isso que Deus é Amor, o Pai ama o Filho e o Filho ama o Pai e o Espírito Santo é o reflexo do Amor entre ambos.

Ademais. — Dizia o Filósofo: "O homem solitário é uma besta ou um deus". Com efeito, nem mesmo Aristóteles por falta da Revelação poderia imaginar que nem mesmo Aquele que é, — é só, em verdade ele é comunhão, porque são três em um, sucede que a solidão é algo totalmente contrário ao ser, e se nem mesmo Deus é só, — imagine nós meros mortais vivermos sem a companhia de um Amor que é tão perfeitamente expressado pela união de um Homem e de uma Mulher.

Ademais. — É por isso que o Matrimônio por sua vez é a antecâmara da visão beatifica, pois o Homem e a Mulher que se tornam Marido e Mulher tornam-se comunhão e o fruto do amor de ambos gera os filhos, essa participação é também reflexo da qualidade da Trindade que é comunhão. Ademais, por isso que quando se trata de uma relação conjugal, este por sua vez é constituída de Deus, Marido e Mulher.

Ora, se remove Deus dessa relação, ela se torna deformada, porque somente Deus pode dar ao casal os meios de se amar perfeitamente, porque onde há verdadeiro amor há Deus, porque Deus é amor, do contrário, funda-se uma relação meramente natural baseado em afeições e sentimentos meramente humanos, mas a finalidade do Homem não é natural, é sobrenatural, a finalidade última do Homem é a contemplação da Verdade, isso é, conhecer a essência de Deus mesmo, fonte suprema de amor onde o coração do Homem pode repousar em definitivo.

Todavia há uma coisa a ser demonstrada para comprovar abertamente a "existência de Deus" que nunca vi muitos dizer, que se consiste no fato de que podemos amar, ora, o ato de amar é uma prova indubitável que há algo para além dessa realidade, ou seja, o amor sendo transcendente, não pode ser de maneira alguma causado pelos mecanismos naturais dos seres humanos, a saber, biológicos, químicos, neurais, psíquicos, etc, mas de algo que vem de uma fonte que é Puro Amor e esse chamamos Deus.

Glória a Deus! Ave Maria Santíssima! Salve Roma Eterna! Força e Honra! Sempre Fiel! Ó Santíssima sob o título de Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós! São Valentim, rogai por nós!

Comentários

Postagens mais visitadas