Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Da formação e desenvolvimento do Homem, a crise da virilidade de nossos tempos e outros assuntos

Da formação e desenvolvimento do Homem, a crise da virilidade de nossos tempos e outros assuntos. Por: Vinicius Martinez
Introdução.

Se podemos dizer que há um período na História Humana onde o Homem deixou de entender a si mesmo, esse período é o nosso. Vivemos num mundo desenvolvido tecnologicamente, mas precariamente os homens que participam desses tempos, não acompanharam o avanço das técnicas que por eles mesmos foram desenvolvidas.

É fato que vivemos numa sociedade apóstata que abandonou a Verdade e que se rendeu ao Liberalismo em todos os seus aspectos, o que por sua vez deu forças ao modernismo na religiosidade, assim como pavimentou a civilização ocidental para experimentar as tenebrosas revoluções sangrentas do século XX.

Por sua vez, nessa breve introdução, cito que o triunfo da tão má compreendida ideologia feminista, que embora muitos falem dela, não sabem que a mesma não é só uma simples demência do que chamamos de "Mundo Moderno".

Parafraseando a afirmação do Dou…

Do mito da terra dos "vigaristas"

Do mito da terra dos "vigaristas".

Por: Vinicius Martinez

Há muitos imbecis que acreditam que o Brasil é um país ruim porque foi colonizado pelos portugueses no lugar dos britânicos, — assim como dizem que os portugueses que chegaram ao Brasil eram assassinos, estupradores, ladrões, vigaristas e fugitivos.

Isso não passa de uma farsa histórica gravíssima, e que não é apenas impulsionada por uma falta de conhecimento.

Trata-se de verdadeiro sintoma de uma doença real que faz com que a pessoa odeie a própria identidade essencial a qual participa, a saber, o fato de que suas raízes são provindas de Portugal e não dos britânicos.

Com efeito, essa farsa histórica é facilmente destruída ao mostrarmos que as companhias do Império de Portugal que aqui chegaram, eram de Homens nobres que deixaram de lado o conforto da Europa.

Para se colocarem numa posição de extremo risco, a saber, de talvez irem para um lugar que não existisse, — e acabar, por morrer no mar: seja por falta de suprimentos ou pelas tempestades.

Ademais. — É sabido que aqueles que vieram por via das companhias marítimas do Império de Portugal para a Terra de Santa Cruz. Eram homens da nobreza portuguesa —, do alto e baixo Clero da Santa Igreja Católica Apostólica Romana, militares e civis de todas as esferas de ofício.

Além disso, é deveras sabido que a Ordem dos Cavaleiros de Cristo teve presença quase que total nessas expedições marítimas que inclusive tiveram início ainda no Século XIV pelo Infante Dom Henrique de Avis de Portugal. Pedro Álvares Cabral que foi o Capitão-Mor das expedições motriz —, era Cavaleiro da Ordem.

Com efeito, boa parte dos que vieram nessas expedições faziam parte direta ou indiretamente da Ordem. Basta olharmos as bandeiras das caravelas que tinham o símbolo da Ordem fundada no Século XIV, fruto de uma inspiração ainda mais antiga — nos tempos do Medievo, quando fora fundada a Ordem dos Cavaleiros Templários no Século XII.

Quando os portugueses se estabeleceram na Terra de Santa Cruz, chegaram com os valores da Cristandade Menor (Império de Portugal e Espanha).

Além disso, os clérigos assim que puderam, rezaram a primeira Santa Missa para que este solo fosse então Consagrado ao Rei dos Reis. As forças militares então fizeram seu trabalho, mapeando e assegurando a região.

Com efeito, tiveram contato com os nativos que ao longo dos anos passaram a ser catequizados pelos clérigos e religiosos de diversas ordens, a qual teve grande presença os Jesuítas por volta do ano de 1549 que tiveram uma grande participação na transmissão religiosa e cultural.

Em verdade, é uma bênção termos sidos colonizados pelo Império de Portugal, pois eles nos deram os valores verdadeiros da Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

Eles tinham uma noção de unidade e honra, foram homens impulsionados não pelo desejo de riquezas materiais: como alguns porcos materialistas dizem por aí.

Mas, de uma verdadeira noção de que é necessário espalhar o Reino de Nosso Senhor. É claro que também a vontade de espalhar a identidade nacional portuguesa para que a extensão do Império aumentasse, no entanto, um Império com identidade Católica.

É necessário que ocorra batalhas.

Pois é o que aconteceu muitos séculos depois, quando o Maldito Protestantismo já imperava em boa parte da Europa e nos EUA. Futuramente viria a surgir a Maçonaria, que deu seu golpe de mestre na Revolução Francesa que gerou consequências severas.

Com efeito se inaugura de fato o período da Apostasia Geral das Nações e isso terá efeitos em todas as escalas em todos os países ocidentais.

Procede a uma total perversão da Ordem Espiritual e Temporal, a Terra de Santa Cruz não estaria imune aos efeitos nefastos das ações deles. Em decorrência disso, o Brasil foi se perdendo cada vez mais.

Deixando de lado sua raíz Católica e Ibérica, para adotar séculos depois um estranhíssimo Americanismo que só prejudicou essa nação, que aos moldes dos países anglo-saxões mergulhados no Liberalismo, muitos desses pueris homens queriam adotar essa estrutura britânica que incompatível com a nossa.

Assim procede também o fato de que deixando o modelo Imperial monárquico — para aderir à República Maçônica por via de um Golpe Militar que nos levou até chegarmos nessa patética e iníqua República Federativa do Brasil que não é o Brasil verdadeiro, mas uma espécie de "Anti-Brasil".

Além do mais, não se deve romantizar as coisas —, e sim enxergar o que é real e concreto. O estudo da História tem por objetivo a verdade. A História nos dará noção do que aconteceu e o que não aconteceu.

O problema está no fato de que muitos utilizam da História para enganar e propagar suas ideologias patéticas no lugar de transmitir o que é ofício do Historiador, a saber, demonstrar os fatos históricos.

Com efeito, aquele que não compreende o próprio passado tende a ter graves problemas de identidade. Lamentavelmente é o que acontece, quando vemos brasileiros que possuem nojo do próprio País, pois acreditam que temos de nos envergonhar do que somos.

A questão é: somos o que dizem que somos? Em verdade, por mais que o Brasil seja hoje um país onde a corrupção moral: a depravação em todos os aspectos.

Assim como o assassinato e a pilantragem reinam; não significa de maneira alguma que esse é o verdadeiro Brasil, mas uma destruição do que era para ser uma grande Nação.

Quanto mais se estuda a História dessa nação, mais se ama o que é o verdadeiro Brasil, do contrário, ocorre que as pessoas achando que o Brasil é esse monstro que é contado por muitos charlatães, acabam por odiar a si mesmos.

Glória a Deus! Ave Maria Santíssima! Salve Roma Eterna! Força e Honra! Sempre Fiel! Pela Família e pelo Brasil!

Comentários

Postagens mais visitadas