Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Do mistério da vida: sofrer primeiro para ser feliz depois

Do mistério da vida: sofrer primeiro para ser feliz depois.
Por: Vinicius Martinez
“Devemos suportar tudo, porque o sofrimento é pequeno e a recompensa é grande.” Santa Catarina de Sena 
Um magnífico sinal da Graça de Deus em nossas vidas é quando uma pessoa que amamos ou que temos grande consideração por ela. 
Nos machuca em decorrência de uma atitude, seja uma escolha ou uma declaração que tenha ferido os nossos sentimentos, assim como também tenha contrariado a nossa vontade.
O ser humano naturalmente ao ser contrariado em sua vontade tende a se entristecer, pois, de fato dói ter a nossa vontade, os nossos desejos sido negados —, dói ser machucado por uma pessoa que tanto amamos. 
Geralmente a reação natural após sermos machucados por uma pessoa, é de tristeza, revolta e raiva. No entanto, por alguma operação de ordem sobrenatural. 
Ainda que entremos numa forte tristeza, ainda que choremos muito por causa da dor que sentimos, ainda assim em nosso coração persiste o Amor, o desejo do Sumo…

A farsa do termo "Judaico-Cristão"

A farsa do termo "Judaico-Cristão"

Por: Daniel de Boni

Com muita frequência o termo "judaico-cristão" é vendido como sendo representante do sistema de crenças dos fundadores da América, porém, veio a ser propagado midiaticamente apenas em meados do séc. XIX. Apareceu nas edições de 1899 e 1910 do dicionário de Oxford. Não curiosamente, nesse período começa a disseminação da ideologia sionista pelo Ocidente, especialmente através daqueles que são designados como “cristãos sionistas”, ou seja, protestantes neopentecostais que utilizam a ‘sola scriptura’ bíblica para mesclar judaísmo e cristianismo. 

O termo foi ganhando popularidade, especialmente nas décadas de 1920 e 1930, sendo promovido por políticos liberais, e desembocou na ‘Conferência Nacional de Cristãos e Judeus’, quando afastaram a retórica – até então vigente – de que os EUA era um país essencialmente cristão, para expressar uma ideia mais abrangente, que pudesse atrelá-lo aos interesses sionistas. 

Em 1939 o termo reapareceu na revista ‘New English Weekly’. Nos anos 1940 o termo ganha sua implicação atual, a de um sistema comum de valores e moral compartilhado, sendo reforçado com a fundação do Estado de Israel em 1948. O presidente Eisenhower tornou o conceito um termo comum quando ele conectou-o com os “Pais Fundadores” em um discurso de 1952, no qual afirmou: 

“'Todos os homens são dotados pelo seu Criador'. Em outras palavras, nossa forma de governo não tem sentido a menos que ele seja fundamentado em uma fé religiosa profunda, e não me importo qual seja ela. Entre nós, é claro, é o conceito judaico-cristão, mas pode ser uma religião onde todos os homens sejam criados iguais”.

Os “cristãos sionistas” utilizam exaustivamente o termo “judaico-cristão”, especialmente os adeptos da ideologia neoconservadora, ligada ao partido republicano e ao Tea Party e demais “think thanks” norte-americanos. Atualmente, Mike Pence, vice de Trump, se impõe como um cristão sionista de marca maior. O objetivo essencial desses agentes é fazer com que os EUA apoiem incondicionalmente os interesses do estado de Israel e lutem por eles, ainda que os sionistas violem constantemente tanto os acordos internacionais firmados como a dignidade de outros povos.

Comentários

Postagens mais visitadas