Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Da formação e desenvolvimento do Homem, a crise da virilidade de nossos tempos e outros assuntos

Da formação e desenvolvimento do Homem, a crise da virilidade de nossos tempos e outros assuntos. Por: Vinicius Martinez
Introdução.

Se podemos dizer que há um período na História Humana onde o Homem deixou de entender a si mesmo, esse período é o nosso. Vivemos num mundo desenvolvido tecnologicamente, mas precariamente os homens que participam desses tempos, não acompanharam o avanço das técnicas que por eles mesmos foram desenvolvidas.

É fato que vivemos numa sociedade apóstata que abandonou a Verdade e que se rendeu ao Liberalismo em todos os seus aspectos, o que por sua vez deu forças ao modernismo na religiosidade, assim como pavimentou a civilização ocidental para experimentar as tenebrosas revoluções sangrentas do século XX.

Por sua vez, nessa breve introdução, cito que o triunfo da tão má compreendida ideologia feminista, que embora muitos falem dela, não sabem que a mesma não é só uma simples demência do que chamamos de "Mundo Moderno".

Parafraseando a afirmação do Dou…

A Guerra é sempre ruim!

A Guerra é sempre ruim!

Por: Vinicius Martinez

Há alguns homens com espírito do grande bode, alimentados por um ódio no coração, por via de uma cultura belicista patética, que a todo custo desejam a guerra, acreditando que o ato de lutar numa guerra é sempre magnífico e belo.

Não sabem que a Guerra é sempre horrível, um mal que deve ser evitado a todo custo se possível —, nela há sempre morte e destruição.

É deveras necessário que todo Homem de Honra esteja pronto para que se necessário, lute com coragem numa guerra para proteger sua fé, sua família e sua pátria. No entanto, jamais um Homem de Honra deseja uma guerra —, por mais que ele tenha coragem de ir ao campo de batalha.

Estes sujeitos a qual me refiro que são patéticos, não sabem o que é de fato uma guerra, — não sabem o que é ver amigos sendo mortos, pessoas dilaceradas e sofrendo, vendo dois lados que por vezes lutam não porque se odeiam, mas porque algum governante fajuto os mandou lutar — enquanto ficam seguros em seus lares.

A maioria esmagadora dos guerreiros, são pessoas que não gostariam de ir para uma guerra, mas são forçados a cumprir um dever que é inato ao Homem, que é de proteger os que estão ao seu redor.

Eles vão para que os que ele deixa atrás em segurança; que são seus amados familiares, não venham a ser feridos, com efeito, dão sua própria vida em amor aos seus familiares e até mesmo a um estranho.

A maioria desses homens patéticos que alimentam essa cultura de guerra imunda, inclusive possuem uma visão de que o Homem macho é aquele que não chora, de que o Homem macho não tem emoções; mas que é um ser frio e indiferente, que não demonstra jamais nenhuma “fraqueza”, e que a virilidade está sempre no fato de ter armas e mais armas ao seu redor.

Dizem isso, porque eles não viram o que é um Homem após ir à uma guerra —, após ter visto tantas atrocidades, de ter visto tantas mortes, inclusive de seus amigos e companheiros .

Em verdade, o Homem que vai para a guerra, jamais volta a ser o que era antes, o efeito é sempre de retornar muito ferido emocionalmente ou fisicamente.

Em alguns casos, retorna ainda mais forte emocionalmente, no sentido de ver que a vida é bela e que vale a pena dar valor a ela. O Homem que vai para guerra volta sempre ferido e com lágrimas nos olhos, e não deixa de ser Homem por causa disso.

Em verdade, o Homem de verdade chora sim, pois ele ama. Há uma grande diferença entre ser um emotivo bobão que chora por coisas fúteis e banais —este é um afeminado. Agora um Homem que chora e ainda possui força suficiente para se manter firme, ao ver aqueles que ele ama sofrerem, só mostra o quanto ele é Homem.

E quando digo chorar, não significa que o ato seja necessariamente externo, mas há também o choro interno que não sai lágrimas para fora — mas vai direto para a alma.

Guerras podem ser legais de ser ver —, de acompanhar de longe, pois, se vê os soldados, a formação, os equipamentos, uniformes e veículos e todo o aparato militar em ação, o que é deveras animador, mas tudo muda quando de fato se vivencia a guerra e a acompanha de perto. A guerra não é um jogo de computador, a guerra é onde pessoas são mortas e não tem retorno.

A Guerra é sempre ruim! Nenhuma glória de ser combatente, de ter sobrevivido e aprendido pela experiência num campo de batalha, compensa o fato de ter presenciado tantas cenas horríveis — tanta desgraça e morte.

Eu Vinicius Martinez, entendo de guerras, de militarismo, eu estudo isso, também aprendi a ser um soldado — um guerreiro e estou pronto para ir ao campo de batalha se acaso for necessário, mas em hipótese alguma desejo uma guerra.

Pelo contrário, meu desejo é estar com minha família e na paz, mas, se a paz dos que eu amo estiver correndo risco de ser destruída, então cabe a mim protegê-la no campo de batalha, pois, amo os que estão ao meu redor.

Glória a Deus! Ave Maria Santíssima! Força e Honra!

Comentários

Postagens mais visitadas