Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Do mistério da vida: sofrer primeiro para ser feliz depois

Do mistério da vida: sofrer primeiro para ser feliz depois.
Por: Vinicius Martinez
“Devemos suportar tudo, porque o sofrimento é pequeno e a recompensa é grande.” Santa Catarina de Sena 
Um magnífico sinal da Graça de Deus em nossas vidas é quando uma pessoa que amamos ou que temos grande consideração por ela. 
Nos machuca em decorrência de uma atitude, seja uma escolha ou uma declaração que tenha ferido os nossos sentimentos, assim como também tenha contrariado a nossa vontade.
O ser humano naturalmente ao ser contrariado em sua vontade tende a se entristecer, pois, de fato dói ter a nossa vontade, os nossos desejos sido negados —, dói ser machucado por uma pessoa que tanto amamos. 
Geralmente a reação natural após sermos machucados por uma pessoa, é de tristeza, revolta e raiva. No entanto, por alguma operação de ordem sobrenatural. 
Ainda que entremos numa forte tristeza, ainda que choremos muito por causa da dor que sentimos, ainda assim em nosso coração persiste o Amor, o desejo do Sumo…

A Guerra é sempre ruim!

A Guerra é sempre ruim!

Por: Vinicius Martinez

Há alguns homens com espírito do grande bode, alimentados por um ódio no coração, por via de uma cultura belicista patética, que a todo custo desejam a guerra, acreditando que o ato de lutar numa guerra é sempre magnífico e belo.

Não sabem que a Guerra é sempre horrível, um mal que deve ser evitado a todo custo se possível —, nela há sempre morte e destruição.

É deveras necessário que todo Homem de Honra esteja pronto para que se necessário, lute com coragem numa guerra para proteger sua fé, sua família e sua pátria. No entanto, jamais um Homem de Honra deseja uma guerra —, por mais que ele tenha coragem de ir ao campo de batalha.

Estes sujeitos a qual me refiro que são patéticos, não sabem o que é de fato uma guerra, — não sabem o que é ver amigos sendo mortos, pessoas dilaceradas e sofrendo, vendo dois lados que por vezes lutam não porque se odeiam, mas porque algum governante fajuto os mandou lutar — enquanto ficam seguros em seus lares.

A maioria esmagadora dos guerreiros, são pessoas que não gostariam de ir para uma guerra, mas são forçados a cumprir um dever que é inato ao Homem, que é de proteger os que estão ao seu redor.

Eles vão para que os que ele deixa atrás em segurança; que são seus amados familiares, não venham a ser feridos, com efeito, dão sua própria vida em amor aos seus familiares e até mesmo a um estranho.

A maioria desses homens patéticos que alimentam essa cultura de guerra imunda, inclusive possuem uma visão de que o Homem macho é aquele que não chora, de que o Homem macho não tem emoções; mas que é um ser frio e indiferente, que não demonstra jamais nenhuma “fraqueza”, e que a virilidade está sempre no fato de ter armas e mais armas ao seu redor.

Dizem isso, porque eles não viram o que é um Homem após ir à uma guerra —, após ter visto tantas atrocidades, de ter visto tantas mortes, inclusive de seus amigos e companheiros .

Em verdade, o Homem que vai para a guerra, jamais volta a ser o que era antes, o efeito é sempre de retornar muito ferido emocionalmente ou fisicamente.

Em alguns casos, retorna ainda mais forte emocionalmente, no sentido de ver que a vida é bela e que vale a pena dar valor a ela. O Homem que vai para guerra volta sempre ferido e com lágrimas nos olhos, e não deixa de ser Homem por causa disso.

Em verdade, o Homem de verdade chora sim, pois ele ama. Há uma grande diferença entre ser um emotivo bobão que chora por coisas fúteis e banais —este é um afeminado. Agora um Homem que chora e ainda possui força suficiente para se manter firme, ao ver aqueles que ele ama sofrerem, só mostra o quanto ele é Homem.

E quando digo chorar, não significa que o ato seja necessariamente externo, mas há também o choro interno que não sai lágrimas para fora — mas vai direto para a alma.

Guerras podem ser legais de ser ver —, de acompanhar de longe, pois, se vê os soldados, a formação, os equipamentos, uniformes e veículos e todo o aparato militar em ação, o que é deveras animador, mas tudo muda quando de fato se vivencia a guerra e a acompanha de perto. A guerra não é um jogo de computador, a guerra é onde pessoas são mortas e não tem retorno.

A Guerra é sempre ruim! Nenhuma glória de ser combatente, de ter sobrevivido e aprendido pela experiência num campo de batalha, compensa o fato de ter presenciado tantas cenas horríveis — tanta desgraça e morte.

Eu Vinicius Martinez, entendo de guerras, de militarismo, eu estudo isso, também aprendi a ser um soldado — um guerreiro e estou pronto para ir ao campo de batalha se acaso for necessário, mas em hipótese alguma desejo uma guerra.

Pelo contrário, meu desejo é estar com minha família e na paz, mas, se a paz dos que eu amo estiver correndo risco de ser destruída, então cabe a mim protegê-la no campo de batalha, pois, amo os que estão ao meu redor.

Glória a Deus! Ave Maria Santíssima! Força e Honra!

Comentários

Postagens mais visitadas