Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Do mistério da vida: sofrer primeiro para ser feliz depois

Do mistério da vida: sofrer primeiro para ser feliz depois.
Por: Vinicius Martinez
“Devemos suportar tudo, porque o sofrimento é pequeno e a recompensa é grande.” Santa Catarina de Sena 
Um magnífico sinal da Graça de Deus em nossas vidas é quando uma pessoa que amamos ou que temos grande consideração por ela. 
Nos machuca em decorrência de uma atitude, seja uma escolha ou uma declaração que tenha ferido os nossos sentimentos, assim como também tenha contrariado a nossa vontade.
O ser humano naturalmente ao ser contrariado em sua vontade tende a se entristecer, pois, de fato dói ter a nossa vontade, os nossos desejos sido negados —, dói ser machucado por uma pessoa que tanto amamos. 
Geralmente a reação natural após sermos machucados por uma pessoa, é de tristeza, revolta e raiva. No entanto, por alguma operação de ordem sobrenatural. 
Ainda que entremos numa forte tristeza, ainda que choremos muito por causa da dor que sentimos, ainda assim em nosso coração persiste o Amor, o desejo do Sumo…

Sobre os 30 mártires brasileiros canonizados

 Sobre os 30 mártires brasileiros canonizados

Por: Daniel Ribeiro 

Em 1630, interessados em assegurar o seu controle sobre o interior do Nordeste recém-ocupado, os holandeses calvinistas firmam alianças com os indígenas tapuias, no intuito de encontrar aliados em número e força para manter seu domínio na região. No ano seguinte, o índio ‘Marciliano’, fugitivo dos acampamentos portugueses, dirige-se ao Conselho Político da Companhia das Índias Ocidentais, informando que seus companheiros estavam desejosos de uma aliança com os invasores.

Em 1637 o judeu-alemão Jacob Rabbi – proveniente de Waldeck, Hesse – chega ao Brasil, e, a pedido do Conde Maurício de Nassau, dirige-se ao interior da Capitania do Rio Grande, onde passa quatro anos junto aos tapuias janduís. Além dos tapuias, acompanham-no alguns potiguares e soldados holandeses. Além de servir de intérprete dos janduís para os holandeses, sua permanência entre os índios consolida as bases da aliança política holandesa-tapuia. Tendo assimilado muitos dos costumes indígenas, Rabbi torna-se um verdadeiro líder do grupo, ao mesmo tempo em que representa diplomaticamente o governo holandês.

Segundo o historiador Câmara Cascudo, Rabbi era violento e astuto, cruel e sem escrúpulo, saqueador e mandante de assassinatos: a figura mais sinistra e repelente do domínio holandês no Nordeste brasileiro, denegrida e acusada por todos os historiadores do seu tempo. Não a esmo os fatos a seguir comprovam-no.

A 16 de julho de 1645, como de costume, os fieis reuniam-se para celebrar a Eucaristia na Santa Missa dominical, na Capela de Nossa Senhora das Candeias, no Engenho de Cunhaú, em Canguaretama. Jacob Rabbi havia fixado um edital na porta da igreja no qual constava que após a celebração, haveria “ordens do governo holandês”. O pároco, Padre André de Soveral, responsável pela catequização e disseminação do catolicismo na região, começa a Missa e, após o momento da elevação do Corpo e Sangue de Cristo, as portas da capela são fechadas. Dá-se início uma vingança dos nativos contra os 70 fieis católicos que ali estavam presentes. Ao verem que seriam mortos pelas tropas, os colonos pedem misericórdia a Jesus, enquanto o Padre André tinha seu coração arrancado do peito pelos insanos invasores.

Segundo cronistas, logo após o primeiro massacre, o medo se espalhou pela Capitanias adjacentes, não sem razão. A 03 de Outubro acontecia outro massacre impiedoso, desta vez em Uruaçu, São Gonçalo do Amarante. Também a mando de Jacob Rabbi, e regado a requintes de crueldade ainda maiores, os quais dispensam comentários, foram mortos 80 fieis católicos.

Em 1698, com os holandeses já afastados, começam a chegar ao povoado exploradores vindos de Pernambuco. Em 1710 os portugueses Ambrósio Miguel de Sirinhaém e Pascoal Gomes de Lima instalam suas famílias nas proximidades do rio Potengi. Esses portugueses constroem dois sobrados e uma capela em homenagem a São Gonçalo do Amarante, com a imagem do santo padroeiro esculpida em pedra e colocada imponentemente no altar e fundam a cidade homônima.

O massacre holandês é narrado em detalhes em uma carta de Lopo Curado Garro.

Os 30 mártires brasileiros canonizados hoje haviam sido beatificados por João Paulo II, em 5 de março de 2000. Em 23 de março de 2017 o Papa Francisco autorizou a canonização.

Tal como exclamou Mateus Moreira, o mártir camponês, preste a morrer, exclamemos nós:
"Louvado seja o Santíssimo Sacramento"!

Comentários

Postagens mais visitadas